Padrão de Adequação

De acordo com o padrão de adequação, os clientes receberão recomendações que são adequadas, ou apropriadas para as suas circunstâncias. Isso é menos severo que o padrão fiduciário. 
Sob o padrão de adequação, as empresas financeiras e os profissionais não são obrigados a colocar os interesses do cliente em primeiro lugar. Eles também não são obrigados a divulgar os conflitos de interesse.
As pessoas que vendem valores mobiliários, como os consultores financeiros e agentes de seguros tipicamente, têm sido sujeitas ao padrão de adequação, de acordo com diretrizes estabelecidas na legislação federal que remonta a 1940. Isto permite-lhes empurrarem os produtos que maximizam a sua própria remuneração, desde que tais produtos sejam apropriados ou adequado para os seus clientes, embora não sejam objetivamente o melhor para as suas circunstâncias.
O padrão de adequação também permite que as empresas financeiras projetem e comercializem valores mobiliários que servem sobretudo aos interesses dos emitentes, ao invés dos compradores, principalmente os clientes no varejo.